Pelo menos 1 vez por mês vou tentar escrever sobre algo sustentável, pode ser algum tecido ou material, alguma técnica de reciclagem, etc.
 
Hoje vou escrever sobre uma descoberta super recente.
 
Chamado de ‘Lineapelle’, o mais novo tecido sustentável é uma mistura de cacto e algodão, e pode ser manuseado em diferentes espessuras, sendo respirável e com validade de dez anos.
 
Os jovens empreendedores mexicanos Adrián López e Marte Cázarez desenvolveram uma inovadora pele orgânica feita de cacto que pode revolucionar a indústria da moda e poderá ter a capacidade de substituir o couro animal!
 
Batizado de ‘Lineapelle’, o tecido é uma mistura de cacto e algodão, e pode ser manuseado em diferentes espessuras, sendo respirável e com validade de dez anos.
 
 
Super versátil, o produto pode ser utilizado em segmentos da moda, móveis, indústria automotiva e artigos de couro.
 
 
Os jovens pesquisadores contam que a ideia surgiu enquanto procuravam uma maneira de fazer um tecido ecológico que não fosse extraído de seres vivos. “Levou dois anos para torná-lo realidade”, disseram:
 

Uma verdadeira inovação mexicana. Eles acalentaram a ideia de criar uma pele amigável ao meio ambiente, que não fosse extraída dos animais, além de respirável e durável por pelo menos uma década”, comemora Marte Cázarez.

 
Adrián complementa que o produto é característico do México. O cacto é abundante em solo mexicano e seu cultivo é muito econômico, não requerendo muitos cuidados.
De início taxados de loucos, os jovens não desanimaram e tocaram o projeto até o fim. “O México tem potencial para inovar e inovar com o nopal, que é o símbolo do país. Muitas pessoas nos disseram que éramos loucos. Até nossos engenheiros disseram que isso não poderia ser feito. Dissemos: ‘Como não? Estamos no México, somos mexicanos. Que matéria-prima podemos aproveitar aqui?”.
 
Não é somente nessa área de sustentabilidade que os pesquisadores e visionários são questionados e rotulados, mas se não persistissem provavelmente muitas das descobertas atuais não vingariam.
 
Talvez a grande vantagem do cacto nopal é que ele cresce espontaneamente, não exige demasiada irrigação e gasta pouquíssima água. Além disso, é bastante resistente.
 
Na mitologia asteca e em pratos elaborados, o nopal, um cacto em forma de raquete, é um dos grandes protagonistas da cultura mexicana, e se transformou também em gerador de energia elétrica.
 
Descobriram até benefícios para o controle de diabetes com esse cacto.
 
Um projeto piloto que inclui um biodigestor e transforma os resíduos em energia começou a funcionar em maio em um grande mercado de nopal em Milpa Alta, zona sul da Cidade do México. A área se destaca na selva urbana com seus mais de 12.000 hectares florestais e 2.800 hectares dedicados ao plantio do cacto.
Desde o amanhecer, agricultores com chapéu de palha trabalham entre as intermináveis fileiras de folhas de nopal no entorno do vulcão extinto Teuhtli, fazendo de Milpa Alta um dos maiores produtores de nopal no México com 200.000 toneladas anuais, das mais de 812.000 produzidas no país.
Aproveitar os resíduos dessa produção para gerar energia limpa “é um projeto importante frente à grande problemática que tem a Cidade do México” em relação à poluição do ar e o tratamento de suas 13.000 toneladas diárias de resíduos, disse em entrevista à AFP Horacio Chavira, subdiretor de desenvolvimento rural da delegação Milpa Alta.
 
O México foi o primeiro país em desenvolvimento que apresentou voluntariamente na ONU seu plano de redução de gases de efeito estufa, com a promessa de redução de 25% para 2030 e até 50% para 2050.
 
Mas até agora somente 15,4% da energia produzida no México tem como origem fontes renováveis e desse total apenas 0,11% corresponde ao biogás, segundo números oficiais.
Adrián e Marte valorizam o caráter multifacetado do seu produto.
 

Um vestido, uma bolsa, uma fita, uma pulseira de relógio, carteira, uma poltrona. Qualquer pele pode ser substituída por pele orgânica. A pele animal ou sintética pode ser substituída por orgânica. Essa é a ideia: apoiar o ecossistema.”

 
 

Assim, dá mais significado ao que fazemos. Não é apenas para a moda e o meio ambiente. Fazemos isso para apoiar indiretamente o campo, também gerando trabalho“, conclui Adrián.

 

A invenção também visa apoiar os agricultores que plantam pereiras espinhosas. Trata-se de uma fonte de renda adicional para eles.

 
 
 
 
 
 
 
Fonte:
 
 
Dani Mollo