Oi Pessoal é com muita alegria que volto a escrever para essa nobre coluna.

Estamos voltando a conviver novamente, após 2 anos de pandemia e uso constante de máscaras, finalmente estamos reaprendendo a entrar em estabelecimentos fechados, frequentar salas de cinema e teatro, quanto falta que isso nos faz, não é mesmo?!

Todos vocês estão observando a grande procura por viagens tanto nacionais, quanto internacionais, afinal são 2 anos de isolamento; mas vocês podem estar se perguntando, o que isso tem a ver com a Cirurgia plástica?

O fenômeno da Demanda Reprimida está atingindo diversos setores e a plástica é um deles, os consultórios e hospitais estão lotados e os pacientes estão ávidos por procedimentos estéticos.

O que é mais interessante que muitas pacientes estão relatando que não estão se reconhecendo ao se olhar no espelho, muitas relatam que envelheceram e não tinham rugas antes da pandemia, e que agora não querem aceitar essa pessoa que se veem no espelho.

Conversando com outros profissionais de outras áreas isso tem ocorrido com certa frequência, entendemos que apesar de termos obrigados a permanecer reclusos, o relógio do tempo não parou e avança inexoravelmente.

Em um Mundo sem máscaras para nos proteger, temos que revelar nossos defeitos e imperfeiçoes, onde encontramos apenas 2 saídas:

– Aceitar e saber conviver com essa nova realidade
– Ou tentar a todo custo mudar isso

O Cirurgião plástico tem que sabiamente, orientar seus pacientes para que não se cometam exageros, preconizando sempre a naturalidade e bom senso. Afinal de contas queremos harmonizar as faces e não Demonizá-las como temos visto ultimamente.