Na hora de degustar um vinho, o olfato é essencial!

Na hora de degustar um vinho, o olfato é essencial!

Na hora de se degustar um vinho, o olfato é essencial. Muitas vezes as pessoas chegam para mim e falam “ah, mas eu não tenho talento pra isso não! Nem quero aprender sobre vinhos, meu nariz não funciona!”

Mas será que não funciona mesmo? Ou você que se acostumou a não usar o seu olfato? Dos nossos 5 sentidos -visão, audição, tato, paladar e olfato, o último é o mais negligenciado. Ao longo da evolução perdemos nossa habilidade de sentir cheiros. Um dos motivos foi termos nos tornado seres eretos. A distância entre nosso nariz e as superfícies a serem cheiradas foi deixando nosso olfato cada vez mais esquecido.

Imagine na Idade Media, quando os banhos não eram muito frequentes e as cidades não tinham saneamento básico? Não sentir cheiro devia ser maravilhoso. Um verdadeiro privilégio!

Deixamos de precisar do olfato pra sobreviver. Nem nos damos conta do quanto ele é importante para nós, mas ele está lá. Naquele cheiro de comida que chega a dar fome. Na lembrança de um perfume especial de algum lugar que conhecemos na infância. Nosso olfato estimula nosso cérebro de muitas maneiras, inclusive ativando a memória.

O livro Cork Dork, de Bianca Bosker descreve uma viagem incrível à ciência ligada ao olfato. E faz uma constatação: ela evoluiu muito pouco nos últimos anos. Há muito que se descobrir sobre a maneira como os humanos sentem cheiro. Pesquisas recentes mostram que nossa habilidade para sentir cheiro está lá, nós que deixamos de utilizá-la.

A etapa olfativa é fundamental para a degustação de vinhos. Iniciamos pela visual, passando pra o nariz e só então colocamos o vinho na boca. É uma forma de prestar atenção a todos os aspectos da bebida. O olfato pode nos dar muitas dicas sobre a uva, o local de onde o vinho vem, o estilo de vinificação. Muitas vezes o aroma é encantador e a boca deixa a desejar. Ou seja, se você não cheirar o vinho pode perder muita coisa interessante sobre ele. E até escapar de levar á boca um vinho estragado! Os defeitos do vinho podem ser identificados pelo olfato, e por isso é muito importante cheirar o vinho.

Pode ser que você ache que não é capaz de sentir pimentão no Carmènere ou brioche na Champagne. É possível que você não tenha treinado seu olfato para isso. Confesso: não sentia muita coisa quando comecei a estudar vinhos lá em 2015. Meu repertório olfativo era limitado. Eu não saía cheirando as coisas. E agora eu faço isso! Sim, eu cheiro flores e plantas na rua, vou à feira e cheio legumes e verduras, treino meus filhos para fazerem o mesmo. Deixei de lado o hábito de usar perfume para não ter interferências na hora de hora de cheirar os vinhos.

Os aromas do vinho são provenientes de reações químicas que ocorrem durante o processo de vinificação e envelhecimento.

Pode parecer invencionismo de gente que quer se mostrar entendida, mas eles estão lá. Basta aprender a identifica-los. Treine seu olfato. Não deixe essa etapa da degustação tão importante de lado. É treino, nosso olfato pode melhorar com o tempo e o exercício sim!
E acreditem! Quando se aprende a experiência do vinho fica mais completa e muito prazerosa!

Daniella Dinis
Sommelière

/daniella.w.dinis
@danielladinis

Fontes